O comércio eletrônico durante o coronavírus

0

Como a internet ajudou o segmento econômico nesses tempos de isolamento? 

 

O mundo não esperava uma pandemia grave e, infelizmente, o comércio não estava preparado para enfrentar meses de isolamento e uma economia congelada. Em muitos países ao redor do globo, toda essa situação fez com que vários estabelecimentos tivessem uma queda abrupta de vendas, o que, naturalmente, diminuiu o faturamento e resultou na perda de empregos e fechamento de micro e pequenas empresas. 

Na esfera da economia europeia, o continente passa por uma das maiores crises desde a Segunda Gerra Mundial. Epicentros da epidemia, como Itália e Espanha, contam com a ajuda financeira da União Europeia que, no entanto, precisa mobilizar todos os países participantes do bloco para ter a liberação da verba. Além disso, há também os países do leste Europeu. Estes, apesar de virem aguentando a contaminação pelo vírus relativamente bem, precisam de ajuda econômica no tocante às fontes de faturamento da região, que são o turismo e as exportações de matéria-prima. 

Assim, a internet tornou-se realidade para muitos nesse período de incerteza mundial, seja por meio do celular ou do computador. Muitas atividades tiveram que ser transpostas para o mundo virtual, como atendimentos psicológicos e psiquiátricos, aulas, consultas médicas, consultorias etc. Ainda que o comércio digital não tenha a capacidade milagrosa de salvar as empresas da falência ou terminar a crise, ele pode ajudar muitos empreendedores a segurar as contas até que tempos mais tranquilos voltem. E, por enquanto, essa é a única saída encontrada para driblar os prejuízos da pandemia, ao menos enquanto o isolamento social persistir.  

No Reino Unido, as compras em varejo caíram quase 20% desde o mês de abril de acordo com dados do Office for National Statistics. O site ressalta também que os comerciantes que já tinham investido em lojas online conseguiram segurar o impacto com menos turbulência; por isso, o comércio virtual foi responsável por 30% de toda a renda do varejo. Já no Brasil, segundo a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico, foram abertas quase 110 mil lojas virtuais ao longo de três meses de isolamento social, contabilizando praticamente uma e meia por minuto. 

Compartilhar.

Sobre o Colunista:

BBMag Bossa Brazil Magazine

BBMAG Bossa Brazil Magazine is the only London-based bilingual publication specialised in Brazilian lifestyle.

Deixar Mensagem